junho 14, 2024

Jornada Enem COC 2022 – Filosofia e Sociologia

Jornada Enem COC 2022 - Filosofia e Sociologia 1

Olá pessoal! Eu sou Bianca Landin, professora
de Filosofia e Sociologia do Colégio COC de São José. Hoje daremos início à nossa Jornada Enem,
onde revisaremos conteúdos importantes e relevantes
para os nossos estudos para essa prova. Fique por dentro também das
nossas dicas de ouro. Anote! Preste atenção que ao final desses vídeos,
nós vamos ter um sorteio relacionado a essas dicas.
Vamos lá! Hoje nós vamos discutir e rever alguns assuntos principais
que são cobrados no Enem em filosofia e sociologia
também. Em fisilosofia nós temos três
temas que são frequentes o tema da ética filosófica, a filosofia política e, por fim,
a teoria do conhecimento. Em sociologia falaremos sobre
sociologia temática, seguida da questão da sociologia
envolvendo política, o que é Estado e também o que é o poder? A definição de ética na filosofia
fala sobre os nossos valores e as nossas crenças. Então, ética e moral são dois assuntos,
dois conceitos filosóficos que se relacionam ao longo do
desenvolvimento do pensamento filosófico. Existem diversas correntes filosóficas
que trazem a preocupação sobre o agir ético. Essas correntes se desenvolvem
juntamente com a história. Quando falamos sobre a Antiguidade,
nós temos a ética aristotélica, a ética eudaimonista,
que acredita que nós nos preocupamos em viver bem para atingirmos a felicidade. Quando caminhamos um pouco mais
na história, chegamos ao período da Idade Média. Na Idade Média,
a submissão do pensamento, do conhecimento à questão religiosa
acaba levando a noção de ética com respaldo nas crenças religiosas
determinadas pelas instituições. Nas nossas aulas, nós costumamos dizer
de forma bem frequente que a ética é individual e a moral
ela é coletiva. Quando chegamos na modernidade, temos dois
modelos bem conhecidos de ética. Inicialmente, a ética kantiana,
que fala sobre o imperativo categórico e a questão da máxima do agir
a partir da noção racional. E também temos a ética
funcionalista do Bentham. A ética funcionalista,
também conhecida como ética utilitarista, acredita que a melhor ação
é aquela que reduz a infelicidade para as pessoas. Quando falamos sobre o conteúdo da ética
em provas de vestibular, é necessário a distinção sobre o
agir ético e o agir moral. Quando falamos de Aristóteles e Platão,
essas relações se aproximam, ou seja, na antiguidade
não existia muita diferença entre o agir ético e o agito moral. Hoje, na contemporaneidade,
nós distinguimos o agir ético a partir da ideia
de que a ética está voltada para a fundamentação das nossas ações,
dos nossos princípios, dos nossos valores. A ética, ela é muito mais individual
do que a própria moral. Quando falamos de moral,
nós estamos falando de regras, de normas que possibilitam a convivência de diversas
éticas, ou seja, a moral lá é coletiva. Uma questão muito debatida pela ética, por exemplo,
quando você tem um parente na sua casa e ele está debilitado,
ele está doente e você escolhe internar o seu parente
numa casa de cuidados. Esse tipo de ação, ela é uma ação ética, é uma ação que não está envolvendo
o certo ou errado. Algumas famílias,
a partir dos seus valores, encaminharem seus parentes
para essas instituições de cuidado, sendo que outras famílias,
a partir dos seus valores éticos, decidiriam cuidar de seu parente em casa. Ou seja, não existe uma regra que coloque um julgamento moral
sobre essa ação. Nesse exercício que nós selecionamos, é um exercício do Enem de 2017. Uma pessoa vê se forçada pela necessidade
a pedir dinheiro emprestado. Sabe muito bem que não poderá pagar, mas vê também que não lhe emprestaram nada se não prometer firmemente
pagar em um prazo determinado. Sente a tentação de fazer a promessa, mas tem ainda consciência
bastante para perguntar a si mesma: não é proibido e contrário ao dever livrar-se de apuros dessa maneira? Admitindo que se decida a fazê-lo, a sua máxima de ação
seria: quando julgo estar em apuros de dinheiro, vou pedi-lo emprestado
e prometo pagá-lo, embora saiba que tal nunca se sucederá. Essa é um texto,
um fragmento que foi retirado do livro do Kant fundamentação,
da metafísica dos costumes, falando sobre a ação do agir correto. De acordo com a moral kantiana, a falsa promessa de pagamento. Então, o Enem vem perguntando,
a partir do texto da coletânea, o que representa essa falsa
promessa de pagamento com relação a essa máxima da ação,
a partir do dever, nós temos no texto uma parte que fala
sobre a relevância do dever. Então, essa parte ela seria um norteador, porque ele estava falando exatamente
a ideia de que você não pode prometer dinheiro se você não vai, não pode prometer um pagamento,
se você não vai fazer esse pagamento. E para o Kant, essa ação
não poderia se tornar uma máxima. Ela não poderia se tornar um imperativo
categórico. Então, com base no texto
e com base no conceito do imperativo categórico do Kant, nós temos ali,
como alternativa correta essa questão. A essa questão alternativa C, então, de acordo com a moral kantiana,
a ação correta para o Kant, a falsa promessa de pagamento ela representa, no texto uma oposição ao princípio de que toda a ação do homem
passa a valer como uma norma universal. Então, a alternativa correta
dessa primeira questão é a alternativa C. Continuando um tema muito relevante também
para os nossos estudos e para a nossa revisão de filosofia é a filosofia
política. A filosofia política ela fala sobre as
nossas decisões coletivas, visando sempre o bem estar
e a justiça distributiva. Ou seja, a filosofia política, ela traz um tema muito relevante
para os vestibulares, que é a questão da ordenação da ordem,
da hierarquia dos poderes. A filosofia política
ela vai filosofar sobre qual seria a melhor forma de governo,
qual seria a melhor forma de eleição. A política é uma arte do bem viver, filosoficamente, a política ela se contrapõe
a toda a autoridade e a violência. Ela é uma forma pacífica
de resolver os conflitos que existem, bem também
como encaminhar a maior parte das pessoas ao bem estar coletivo. Bom, nós também temos teorias sobre o que deveria ser a política. Nós temos o que é a política para Platão. Platão acredita que política
é sinônimo de justiça social. Nós temos a política para o Aristóteles. Aristóteles
acredita que a política é um dos meios, assim como a ética
de atingir a felicidade, o bem estar da maior parte das pessoas. Dentro do contexto da Idade Média, percebemos que o poder, a organização,
a hierarquia da sociedade que está submetida às instituições
religiosas, são elas que mantêm, coordenam o poder
diretamente. Quando a gente fala sobre
noções mais modernas de política, nós acabamos
falando sobre a teoria do Maquiavel. Maquiavel Ele é um pensador
que faz uma divisão de águas no pensamento filosófico político,
porque ele vai quebrar paradigmas. A ideia de quebra de paradigma, a ideiade transformações
das teorias são extremamente importantes
e de destaque para os nossos estudos. O Maquiavel,
ele vai desconstruir a política virtuosa. Para ele, o agir político
não tem nada a ver com as virtudes. Para ele,
a política depende das circunstâncias e nós temos aí um livro bem importante,
que é o livro O Príncipe. Outra teoria política também,
que vai tentar explicar o poder que vai tentar fundamentar o poder,
mas sem usar de bases religiosas. São as teorias dos contratualistas. Os contratualistas que são
o Locke, o Hobbes e o Rousseau são explicações racionais
que fundamentam o poder. Cada um deles vai falar também
sobre mecanismos políticos. Qual seria a melhor forma de governo? Uma aristocracia, uma monarquia
ou simplesmente a democracia? Sendo assim, esses debates, esses mecanismos políticos são explicados
de forma racional. Para fazer a manutenção do poder de fato. Vamos lá dar uma lidinha. Numa democracia representativa,
como é o Brasil, o direito de votar para a escolha
dos governantes, que irão ocupar os cargos do Executivo
e do Legislativo, é um dos direitos fundamentais
da cidadania. Na impossibilidade
da participação direta do povo nas decisões que deverão ser tomadas
a respeito de questões da máxima relevância para o interesse público,
a escolha de representantes para o desempenho dessas tarefas
foi o caminho encontrado para que as opções reflitam
a vontade do povo. Na perspectiva apontada no texto, a consolidação da democracia no Brasil baseia-se na representação popular. Então, o Enem está perguntando quais são os meios que nós conhecemos
como meios de representação popular. Nós estamos também caracterizando a ideia
de que nós vivemos numa república que é rés pública, que é a coisa do povo,
ou seja, a vontade do povo ela é expressa
dentro dos mecanismos do poder, a partir do texto
e do conceito de mecanismos políticos, nós vamos escolher qual das alternativas
representam, de fato, a representação popular
que caracterizam a representação popular. Nós temos as alternativas. Alternativa A. Fóruns sociais. É muito importante a gente saber que,
por mais que a ideia da internet ela seja uma forma bem democrática,
bem ampla, de posicionamento político, não são todas as pessoas
que são consagradas com acesso à internet. Então, a representação popular
da maioria das pessoas não poderiam estar apenas em fóruns
sociais, porque não teriam aí um acesso ou uma participação de uma média
da maioria das pessoas. A alternativa B traz os partidos políticos. Partidos políticos são mecanismos políticos. Então,
é muito interessante que a gente saiba o papel, a função dos partidos políticos dentro da manutenção de uma democracia
representativa. E essa questão, ela faz essa
referência alternativa A alternatica C fala sobre conselhos federais
que só aconteceriam nos âmbitos da federação
e também são restritos à população, dentro de uma ideia de médio de maioria. Entidades de classe. Entidades de classe
também fala que apenas algumas classes participariam dessa representação. E, por último, a alternativa E que fala de
organizações não governamentais. Eles estão falando, então,
na alternativa E que uma parte da representação popular da política
viria pelas ONGs. Bom, nessa questão,
a alternativa correta é a alternativa B. A alternativa B é a que melhor representa a representação popular
dentro dos mecanismos políticos numa república representativa
como é o próprio Brasil. A dica de ouro aqui é conhecer
os mecanismos da política brasileira. Saiba que o Brasil é uma república
federativa. Saiba que a democracia representativa
é a forma como nós escolhemos aqueles que representarão
a vontade do povo. Saiba também sobre a divisão dos poderes. Quando nós falamos da divisão dos poderes,
nós trazemos as ideias do Montesquieu. Saiba sobre a divisão do Legislativo,
do Judiciário e também do Executivo. O terceiro assunto
mais cobrado nas provas do Enem é a questão da teoria do conhecimento. A teoria do conhecimento ela também acompanha
todo o desenrolar da filosofia grega, da filosofia antiga
até a contemporaneidade. Hoje, se a gente fala sobre conhecimento
verdadeiro, sobre o rigor do conhecimento, nós falamos sobre ciência
e sobre método científico. Mas é muito importante
a gente saber que o método científico ele só aparece no século XIX. Então, até o século XIX, as pessoas não tinham o método científico
como uma ferramenta de rigor para o pensamento,
para aquilo que é considerado verdadeiro ou universal
para aquele período histórico. Sendo assim,
a teoria do conhecimento na Grécia Antiga com os pré-socráticos:
Sócrates, Platão, Aristóteles. Quando nós olhamos para a Idade Média,
também nós vamos ter uma teoria do conhecimento
que vai estar submetida à noção da fé. Quando a gente pensa na teoria
do conhecimento, dentro da modernidade, nós estamos falando sobre o método
experimental, sobre a relevância do método dedutivo. Bem também como o método científico
do René Descartes. Sendo assim, ao longo da filosofia,
há uma questão muito importante que caracteriza essa ciência
é a criação de conceitos. Como eu disse pra vocês,
nós temos ali na modernidade a ciência como uma regra,
como um fundamento daquilo que é considerado
certo e verdadeiro. Assim também, como Kant é muito relevante na questão do conhecimento ético. O Kant se apresenta aqui
mais uma vez, como relevante na ideia da teoria do conhecimento. A filosofia do Kant inaugura
aquilo que nós chamamos de era da razão. Para o Kant o conhecimento verdadeiro, o conceito verdadeiro,
o rigor do conhecimento, ele se respalda, ele se ancora
e se apoia na questão racional. Olhem lá. O exercício é um exercício do
Enem de 2012 e começa assim: Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade
de fazer o uso de seu entendimento sem a direção de um outro indivíduo. O homem é o próprio culpado
dessa menoridade se a causa dela não se encontra
na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de
servir-se de si mesmo sem a direção de outro. Tem coragem
de fazer uso do seu próprio entendimento, tal é o lema do esclarecimento. A preguiça e a covardia
são as causas pelas quais uma tão grande parte dos homens, depois que a natureza de muitos
libertou ou de uma condição estranha, continuem um tanto de bom grado menores
durante toda sua vida. Bom, esse é um texto do Kant,
Resposta à pergunta: o que é esclarecimento? Kant destaca no texto
o conceito de esclarecimento fundamental para a compreensão
do contexto filosófico da modernidade. Vejam bem que essa é uma questão
que, além de falar sobre um conceito filosófico, também traz explicitamente
o período histórico, que é a caracterização da modernidade.
A modernidade e a era da razão. Bom, o Enem está querendo saber o que significa o esclarecimento
e ele pergunta: Esclarecimento no sentido empregado
por Kant representa: A alternativa correta é a alternativa A, que fala, que o esclarecimento ele é a reinvindicação da autonomia
da capacidade racional do homem, como uma expressão da sua maioridade. Se você fizer uma leitura do texto
logo no início, ele deixa bem explícito essa questão de que a razão é a saída
do homem da menoridade. Então, esse é um ponto importante
que iria ajudar muito a pensar
e também excluir algumas alternativas. A dica de ouro aqui é sobre o rigor
do conhecimento científico. Por que nós acreditamos na ciência? Bom, acreditamos na ciência
pela questão do seu método, pelo método científico,
pela preocupação de repetir certas experiências diversas vezes
para que elas se tornem leis ou teorias. E com base nessas leis e nas teorias,
são desenvolvidos todas as explicações
que envolvem o conhecimento científico. Então, a dica de ouro é a importância do método científico para categorizar
aquilo que é a ciência de fato. Bom, seguimos
agora com a disciplina da sociologia. Iremos fazer uma revisão de alguns temas que são frequentes também
dentro da prova de sociologia do Enem. Um dos temas mais cobrados
dentro das provas do Enem na disciplina de Sociologia é o que nós chamamos
de sociologia temática, ou seja, existe uma diversidade de temas que influenciam
na compreensão das relações sociais. Quando falamos sobre sociologia,
nós estamos falando sobre uma ciência que tenta compreender a relação
entre o indivíduo e a sociedade. Então, para a sociologia,
é muito importante saber de noções, de temas, de fenômenos que podem servir nessa percepção. Até que ponto a gente é um indivíduo
com as nossas crenças, as nossas individualidades
e subjetividades. E até que ponto nós somos sociedade. Uma série de regras de normas
que nós acatamos para poder viver de forma harmônica e também pacífica com os outros. Quando falamos de sociologia temática,
existem temas que são relevantes, existem temas
que são frequentes nas provas, como por exemplo, a ideia da cultura. Cultura é mais onipresente que o ar
nas provas de vestibular do Enem. O Enem ele acredita que o aluno deve saber
o quanto que o multiculturalismo interfere na compreensão
sobre o que é as nossas relações e sobre quais são os fenômenos que existem
no nosso país. A questão da cultura, a questão da urbanização,
a questão das instituições econômicas. A percepção do indivíduo
como portadora de uma identidade nacional. A questão da educação,
religião, violência, vida urbana são temas
que perpassam a vida do indivíduo, levando ele compreender esses fenômenos e se compreender também
como um ser social. Inicialmente, nós vamos fazer
esse exercício, que é um exercício do Enem de 2016. A sociologia ainda não ultrapassou a
era das construções e das sínteses filosóficas. Em vez de assumir a tarefa de lançar luz sobre uma parcela
restrita do campo social, ela prefere buscar as brilhantes
generalidades em que todas as questões são levadas sem que nenhuma
seja expressamente tratada. A questão, ela não faz uma pergunta diretamente
objetiva sobre os conceitos do Durkheim, mas diz muito
a respeito da preocupação do Durkheim com o conhecimento sociológico. O Durkheim ele acredita
que é aquilo que acontece em sociedade, aquilo que acontece entre os indivíduos
e a sociedade pode ser compreendido
através da capacidade racional. Mas, para ele,
a sociedade é algo diferente da natureza. Então, não podemos naturalizar
alguns acontecimentos, fenômenos sociais. Eles não devem ser naturalizados. Eles devem ser explicados
de maneira racional e sociológica. O texto expressa o esforço de Durkheim
em construir uma sociologia com base, A na vinculação com a filosofia
como um saber unificado. No início do texto, ele já começa
explicitando que sociologia e filosofia deveriam começar a
se construir de forma separadas. B Reunião de percepções intuitivas
para demonstração. Será que o conhecimento filosófico
deve ter bases intuitivas para que ele tenha o rigor? A C, a formulação de hipóteses subjetivas sobre a vida social,
a C ela fala que talvez a compreensão da sociologia ela esteja vinculada com as nossas
experiências pessoais apenas, individuais. E a D, adesão aos padrões de investigação
típicos das ciências naturais. A D está falando
que, para a sociologia ter rigor, ela deveria se apoiar
ao método das ciências naturais, as explicações das ciências naturais. E a E que fala sobre a ideia de que a sociologia
ela deveria fazer a incorporação de um conhecimento alimentar
dado pelo engajamento político. Então, aquilo que é a sociologia
seria dito pela política. Bom, a alternativa correta
dessa questão, allternativa D, adesão a padrões de investigação
típicos das ciências sociais. A dica de ouro aqui
é a respeito das instituições sociais. Chegamos ao fim da nossa aula. Eu espero que vocês tenham gostado. Caso você tenha também um amigo
que precise dessa revisão dessas dicas, encaminhe o link para ele. Continue também
acompanhando nas redes sociais do COC. É isso, muito obrigada.
Até mais!

4.8/5 - (182 votes)